Real Madrid investe em Gaia

Estádio Municipal Parque da Cidade acolhe Escola Sócio-Desportiva. Iniciativa pretende fomentar a prática do futebol e ajudar socialmente crianças desfavorecidas do concelho

Vila Nova de Gaia vai ter uma escola de formação de futebol do Real Madrid. Chama-se Escola Sócio-Desportiva, irá funcionar no Estádio Municipal Parque da Cidade e prevê a participação de 200 crianças, de ambos os sexos, dos 6 aos 11 anos.

Este é o resultado da iniciativa “Projeto Portugal” incrementada pela Fundação do clube merengue no nosso país, que já tem iguais valências nos concelhos de Vila Real de Santo António e Funchal. No primeiro caso o projeto é financiado pela autarquia local e oferece atividades de futebol e basquetebol a 135 crianças, entre os seis e os 13 anos. Na Madeira a colaboração conta, desde novembro, com o apoio do Banco Popular Portugal e a colaboração das Missões Salesianas, chegando a 100 crianças.

Tal como nos outros locais, esta escola em Gaia visa a formação desportiva do futebol a jovens carenciados, onde paralelamente se irá dar apoio no que concerne à educação cívica e integração social, melhoramento da saúde através de hábitos saudáveis e refeições adequadas, bem como o acompanhamento escolar e psicológico, de forma a aumentar a autoestima das crianças.

Assim sendo, o principal objetivo do projeto do emblema espanhol, que aqui regista o apoio da edilidade gaiense, não é encontrar um futuro Cristiano Ronaldo, mas antes formar pessoas e ajudar crianças em risco, usando para isso a marca global Real Madrid para esta iniciativa soció-educativa.

De referir que os jovens desfavorecidos gaienses frequentam a Escola Sócio-Desportiva a título gratuito, estando ainda abertas inscrições, limitadas, a outras crianças do concelho, mediante o pagamento mensal de 25 euros.

Importa ainda dizer que a assinatura desta parceria foi realizada, esta segunda-feira, no Estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, e que o concelho esteve representado pela empresa municipal Gaianima, entidade que lidera o processo no município.

A Fundação Real Madrid está presente em 60 países com 193 escolas, apoiando cerca de 33 mil crianças com idades entre os seis e os 15.

Fundação Real Madrid
Constituída em 1997, a Fundação Real Madrid é uma entidade sem fins lucrativos. Representa o compromisso do clube com a solidariedade, ação social e cooperação, atua no âmbito da Convenção sobre os Direitos da Criança. Desde 2008 é considerada uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), que trabalha em instituições como centros penitenciários e de acolhimento, hospitais, bem como em programas com pessoas idosas, com deficiência e população imigrante em risco de exclusão.

(atualizado)

Anúncios

Cerâmica de Valadares está parada

Hoje mesmo, os trabalhadores da Cerâmica de Valadares reuniram em plenário e decidiram  parar de imediato a laboração. Esta deliberação vigorará, pelo menos, até receberem os salários referentes aos meses de dezembro e janeiro.
“Os trabalhadores decidiram não ir trabalhar enquanto não receberem”, informou o representante do Sindicato dos Cerâmicos do Norte, Manuel Mota.
Paralelamente, os funcionários irão permanecer em frente à instalação da fábrica até serem recebidos pela administração.
De recordar que, no final de dezembro, a fábrica esteve parada devido à falta de verbas para pagar o gás.
Apesar da administração ter revelado, este mês, que haveria “alguém interessado” na viabilização da empresa, até hoje nunca mais se soube qualquer pormenor sobre o potencial interesse.

Está a chegar o Fantas

A 32ª edição do Festival de Cinema Internacional do Porto, que irá decorrer Rivoli -Teatro Municipal, entre os dias 20 de Fevereiro e 4 de Março, será dedicada ao Futuro. Um futuro incerto provocado pela situação que o mundo e particularmente o país atravessam. Para tal, o Fantas propoem-se a levar a cabo, ainda antes da entrada nas várias secções que compõem a competição oficial, um fórum sob o tema “O futuro agora”. Este debate será realizado em colaboração com diversas entidades e personalidades da ciência e das artes, num cruzamento com o cinema, sendo coordenado pela directora do Fantasporto, Beatriz Pacheco Pereira. Integram este fórum, um ciclo de conferências sobre os mais variados temas, com múltiplas visões do futuro em áreas tais como o Teatro, a Literatura, a Arquitetura, no lado das artes, e a Óptica, a Robótica, as Ciências Biomédicas, a Física, a Medicina, a Política, o Jornalismo, a Web, ou os Têxteis, no lado da ciência. Estas conferências realizar-se-ão nos dias 21, 22 e 23 de Fevereiro e terão lugar no Rivoli – Teatro Municipal, da parte da tarde.
Durante todo o período do Fantasporto, irão também desenvolver-se Workshops e demonstrações de  Óptica e Robótica, em parceria com a Universidade do Porto. No dia 24 de Fevereiro irá ser inaugurada uma exposição sobre o tema “Porto, Fantasporto & Blade Runner – Holograma”, com a apresentação de um novo holograma gigante, criado especialmente para o evento, pelo Museu da Ciência da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, tendo em conta a comemoração especial dos 30 anos do filme “Blade Runner”, aquele que é considerado o verdadeiro filme de culto do Fantasporto.
Ainda sobre o signo do futuro, o Fantasporto integrará, entre os dias 20 e 23 de Fevereiro, uma selecção de filmes de ficção científica, os quais foram encomendados às escolas de cinema portuguesas e a produtores independentes de novos filmes. Filmes científicos que serão complemento das conferências e que irão ser exibidos no Pequeno Auditório do Rivoli.
Quanto ao cinema, logo no chamado pré-Fantas, que antecede a competição oficial, e porque estaremos então em plena época de carnaval, o sempre considerado “pior cineasta do mundo”, o grande Ed Wood, é alvo de uma homenagem especial. Para isso serão exibidos, nas noites de segunda e terça-feira de carnaval, filmes deste cineasta que são considerados por muitos como filmes de culto. A ingenuidade dos efeitos especiais e o aparente amadorismo dos actores, fazem com que as suas obras sejam momentos delirantes de pura comédia. Mas nem só de comédia vive o carnaval. Há também lugar para as máscaras, e aqui a personagem de Drácula assume um lugar de protagonismo na edição deste ano do Fantasporto. Nos 100 anos da morte de Bram Stoker, é recuperada a obra prima de Francis Ford Coppola “Bram Stoker´s Dracula” que será antecedida pela exibição do clássico do expressionismo alemão “Nosferatu” de F. W. Murnau. Duas visões sobre o monstro, numa sessão dupla em plena tarde de carnaval. Como foi dito atrás, também se comemoram os 30 anos sobre “Blade Runner”, filme que foi exibido na edição de 1982 do Fantasporto em antestreia, e que é um ícone do festival, simbolo da concepção de cinema e da visão do fantástico e do imaginário, do Fantasporto. Poderá ser vista a versão em suporte digital do “final cut” deste filme, no Pequeno Auditório do Rivoli.
Na edição deste ano, irão ser exibidas cerca de 120 longas-metragens e de 250 curtas-metragens, representando 33 países. Sendo que 90% serão inéditos em Portugal com uma antestreia mundial e outra europeia. 87% dos filmes são Europeus ou em co-produção com a Europa, o que levará a que o número de presença de convidados em representação dos filmes a concurso seja maior do que o habitual. Serão quatro as secções em que os filmes estarão em competição: Cinema Fantástico; Semana dos Realizadores; Cinema Português; e Premiere e Panorama. Como já se tornou habitual nos últimos anos, a 32ª edição do Fantasporto, encerrará com o tradicional Baile dos Vampiros, que este ano se muda de malas e bagagens para o Hard-Club, situado no Mercado Ferreira Borges. MAL

Douro Marina inaugurada no próximo sábado

A inauguração da Douro Marina é já no próximo sábado, dia 4 de Fevereiro.
A primeira fase da construção da Douro Marina está concluída, disponibilizando 300 lugares de amarração para embarcações na Foz do Douro e garantindo os apoios básicos de suporte aos clientes.
A segunda fase da construção chega ao fim em Julho, com a abertura de uma zona comercial inovadora que reunirá espaços comerciais e de restauração, para apoio das actividades náuticas, mas também para os habitantes locais e visitantes em geral.

A cerimónia de inauguração conta com um concerto (gratuito) do portuense Rui Veloso, a partir das 17 horas.

“A AMI apareceu no momento certo”

O Centro Porta Amiga de Vila Nova de Gaia acolheu, no dia 25 de janeiro, a cerimónia de entrega dos certificados de conclusão do curso Tecnologias de Informação e Comunicação realizado nas Infotecas FNAC/AMI Contra a Infoexclusão de Vila Nova de Gaia e do Porto. Formandos de ambas as margens do Rio Douro juntaram-se para receber os diplomas. Houve aplausos, sorrisos, ansiedade, lágrimas contidas e até um discurso inesperado.
Antes da entrega dos diplomas, já alguns formandos se encontravam na Infoteca. Os computadores ligados serviam para matar o tempo e exercitar informalmente os conhecimentos adquiridos nas perto de 50 horas de formação. Ramiro Santos, 55 anos, foi um dos primeiros a chegar. Com a palavra “emprego” escrita no Google procurava já um futuro entre os resultados difusos da pesquisa. “Quero arranjar uma ocupação: porteiro, serviços administrativos ou num escritório. Qualquer coisa. A minha vida é um marasmo”, diz. Um acidente de mota empurrou-o de forma inesperada para uma reforma por invalidez. Subitamente o tempo dilatou-se e a solidão entrou-lhe pela vida dentro. “Venho cá todos os dias, almoço e à tarde converso com os amigos que fiz”. O Centro Porta Amiga de Gaia tornou-se uma espécie de segunda casa. Relativamente à formação foi uma oportunidade de alargar o círculo de amigos e “actualizar-me nestas matérias da informática. Pena o curso ser tão curto. Gostaria que fossem mais horas”, diz. O futuro tem agora a forma de um certificado transformado numa chave que abre um novo mundo de sites, programas informáticos, pesquisas.

DR

“Gostei de tudo. Adquiri novos conhecimentos que serão úteis para encontrar uma ocupação”, afirma.
Com a chegada dos representantes da FNAC e Galileu – instituições envolvidas no funcionamento das infotecas de Porto e Gaia  – os olhos levantaram-se dos monitores. Inicia-se a entrega dos diplomas. Um a um, os finalistas do Curso de Tecnologias de Informação e Comunicação recebem, entre salvas de palmas e sorrisos dos colegas, os certificados. Tempo ainda para o inesperado. Após os discursos e agradecimentos oficiais, Susana Reis, directora da Centro Porta Amiga de Gaia pergunta se mais alguém quer falar, acrescentar algo. Quando o silêncio parecia empurrar a cerimónia para o fim, um formando, encostado à parede no fundo da sala, levanta o dedo e pede a palavra. Manuel Fernandes, 39 anos, retira do bolso do casaco uma folha dobrada em quatro. “Quero apenas dizer umas palavras, se não se importam”. Estica o manuscrito sem o rasgar, engole o nervosismo e lê: “Na altura em que a Infoteca iniciava mais esta formação em informática decidi inscrever-me. Embora estivesse a estudar, a AMI apareceu no momento certo. Aprendi a descobrir as minhas qualidades e também a dialogar com os meus colegas de trabalho na infoteca. A Informática veio contribuir para melhorar os meus conhecimentos. Muitos de nós temos capacidades para desenvolver, ideias, seguimos caminhos difíceis, mas podemos contar sempre com o apoio destes profissionais. Sem a AMI poucos de nós conseguiríamos produzir algo de tão belo como lidar com a Informática.
Estes profissionais da AMI dão o melhor que têm para uma sociedade mais justa, mas também temos de fazer a nossa parte.
Agradeço do fundo do meu coração à Dra. Alice que contribuiu para eu finalizar com êxito os meus estudos, à responsável da AMI, a Dra. Susana, por ter sempre a porta aberta a quem precisa, à Dra. Telma, enfim… a todos os funcionários desta instituição.
É com prazer que recebo este certificado da parte da Galileu.
Obrigado a todos.”
Manuel Fernandes para além do diploma recebeu a atenção e admiração dos presentes. Trabalha como assistente de motorista, à noite estuda.
Gosta de ler e escrever. “Passo o tempo na biblioteca”, diz. Actualmente tem uma biografia de Winston Churchill como livro de cabeceira. Um amigo de trabalho disse-lhe que a AMI tinha os cursos de informática gratuitos. Inscreveu-se e ainda bem. A cerimónia de entrega dos certificados encerrou da melhor forma possível.
A funcionar desde 2007, a Infoteca FNAC/AMI do Centro Porta Amiga de Gaia já formou 189 pessoas, enquanto a congénere do Porto, dois anos mais nova, já acolheu 117 formandos.

Túnel de Santo Ovídio (finalmente) aberto

Problemas de segurança rodoviária solucionados. Instituto de Infraestruturas Rodoviárias aprova a circulação automóvel, cerca de dois meses e meio depois de o Metro chegar ao local e aproximadamente dois anos após do arranque da obra

Processo concluído. O túnel de Santo Ovídio já está aberto ao trânsito, desde as 15 horas. Esta é a principal nota da mais recente vistoria, efetuada, esta sexta-feira, ao local pelo Instituto de Infraestruturas Rodoviárias (InIR).

Construído pela empresa Metro do Porto, de forma a expandir a Linha Amarela até ao extremo Sul da Avenida da República, o túnel havia apresentado, segundo o InIR, “desconformidades graves com impacto na segurança rodoviária”. Ou seja, se tudo estava em condições no que concerne ao espaço ferroviário, o mesmo não se aplicava à plataforma rodoviária. Em causa estava a segurança dos equipamentos, nomeadamente no que respeita à sinalização, drenagem e pavimento.

Resolvidas estas anomalias, depois do braço de ferro de responsabilidades mantido entre a Metro do Porto e a Estradas de Portugal, o túnel fica aberto ao trânsito automóvel cerca de dois meses e meio depois de o Metro fazer uso do espaço. Recorde-se que a inauguração da Estação de Santo Ovídio aconteceu no dia 16 de outubro.

Assim sendo, os acessos à A1 e Avenida da República sob a mais conhecida rotunda do concelho passam a estar disponíveis aproximadamente dois anos depois do arranque das obras. Com isto, o Nó de Coimbrões e própria rotunda deixam de estar congestionados, uma vez que eram estes os locais alternativos a quem pretende passar pelo local.

Governo diz ‘nim’ ao novo hospital de Gaia

Presidentes da câmara e do Centro Hospitalar de Gaia reforçam a necessidade da nova infraestrutura. Ministro da Saúde reconhece que o futuro hospital é “uma das prioridades que está listada”, mas que o investimento tem de ser ainda avaliado “em termos nacionais”
Álvaro Monteiro é o novo presidente do Conselho de Administração (CA)do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E). E foi o ministro da Saúde, Paulo Macedo, que presidiu à tomada de posse e ouviu o desejos do novo CA para o futuro.
Coube ao presidente da autarquia ser o primeiro a discursar. Naturalmente, a Filipe Menezes estava mais que previsto o apelo ao Governo para a construção do novo hospital. E assim foi. O autarca pediu ao governante, “numa lógica Norte-Sul, que este hospital possa ser priorizado”, cabendo ao ministro “analisar com cuidado a justiça relativa”.
O edil sensibilizou Paulo Macedo no sentido de “verificar tecnicamente, com justiça, se este hospital, onde se faz medicina de primeiríssima classe em muitas das especialidades médicas e cirúrgicas, não merece nesta altura ser uma prioridade”. A concretizar-se, esta construção “iria também equilibrar aquilo que é injusto em termos de investimentos públicos das últimas décadas entre a Área Metropolitana do Porto e a de Lisboa”.
Já Álvaro Monteiro aproveitou para evidenciar que este é um grande “hospital central na Região Norte do país”, servindo mais de 335 mil habitantes oriundos de Vila Nova de Gaia e Espinho, mas respondendo também a muitas necessidades da população vizinha. Ainda assim, “faltam-nos comodidades” e “ansiamos por melhores instalações”.
O médico aproveitou a oportunidade para pedir “nada mais que a equidade na distribuição de recursos. Não só entre Norte e Sul do país, mas também e em particular equidade de distribuição de recursos a Norte e a Sul do Douro”.
Depois de ouvir Filipe Menezes e Álvaro Monteiro, o ministro da Saúde respondeu ao apelo dos dois: “A aspiração da construção do novo hospital, com vista a substituir estas antigas unidades de saúde, é legítima e corresponde a um desejo de poder continuar a garantir os melhores cuidados a todos aqueles os que são abrangidos por esta instituição”. No entanto, “a bem da transparência, importa referir que, como já tenho reafirmado, a decisão do novo hospital deve ser enquadrada no todo nacional, mas também na definição das prioridades estabelecidas, bem como no quadro do financiamento disponível”, acrescentou.
Paulo Macedo pediu ainda ao novo presidente do CHVNG/E que “continue a desempenhar a atividade, envolvendo na mudança de paradigma todos os profissionais de modo a que possamos ter maior e melhor oferta, ótima acessibilidade e rigor na despesa”.

Gaia continua fiel ao S. Gonçalo

O relógio marcava as 17 horas. Mais minuto. Menos minuto. E em redor da igreja de Mafamude já centenas de gaienses esperavam pelo santo padroeiro. Nem o frio e a chuva demoveram os presentes. Casacos, cachecóis, luvas e gorros faziam parte da indumentária de grande parte da assistência.
Na rua estava a primeira festividade do ano. De Gaia e do país. O São Gonçalo, o padroeiro dos barqueiros do rio. Mas o santo não anda só. A par dele estão as figuras de São Roque e de S. Cristóvão. Os Mordomos dos Mareantes do Rio Douro transportam, durante a festividade, a imagem de S. Gonçalo, a cabeça de S. Cristóvão (padroeiro das gentes do mar) e um terceiro elemento que encarna a figura de São Roque. As Comissões Antiga e Nova da Rasa transportam a imagem de S. Cristóvão e a cabeça de São Gonçalo. Os três grupos desfilam durante todo o dia pelas freguesias de Santa Marinha e Mafamude, arrastando com eles centenas de pessoas.
E os gaienses vão passando, beijando as imagens e pedindo por um ano melhor. Os mais velhos aproveitam para ir rezando enquanto assistem à passagem.
E tudo termina na igreja de Mafamude. “Aqui vai o S. Gonçalo” é a expressão que capta a atenção da assistência. Aproximavam-se os primeiros mordomos. A Comissão Antiga da Rasa (a Rasa de Cima) foi a primeira a chegar. E notou-se. Os cânticos ecoaram e aqueceram os ânimos dos presentes. Os mais novos gritavam ‘o santo é nosso’ e os devotos respondiam com o tradicional ‘e é é é’! Entraram na igreja, rezaram e seguiram-se as três voltas ao templo. No final, um pequeno compasso de espera para receber os mareantes. Depois de se cumprimentarem, os mordomos dos mareantes deram início à mais esperada entrada de igreja. Metodicamente, os ajudantes vão confirmando que os rituais estão a ser seguidos à risca. As figuras dos padroeiros devem entrar na igreja de costas para o altar. Ou correm o risco de perder o S. Gonçalo para uma das comissões. Mas tudo correu pelo melhor. Os mareantes continuam com a responsabilidade mor no S. Gonçalo.
Depois da reza, os mordomos ‘devolvem’ à população a imagem do santo e em uníssono ostentam a alegria de a transportar. Este é possivelmente o momento alto da festividade. Centenas de pessoas se empurram e gritam ‘o santo é nosso’. Entre empurrões e gritos, todos se sentem abençoados pelo santo e pelo sentimento de dever cumprido. Seguem-se as voltas à igreja, com mais ou menos empurrões.
A Comissão Nova entra agora em cena. Mais beijinhos e pedidos aos santos. E mais uma reza. As músicas vão mudando apenas pelo tom de vozes. ‘Aqui vai o S. Gonçalo’ e o ‘Santo é nosso’!
O que não faltou, nos três grupos, foi mesmo o barulho dos bombos. Os tambores grandes e pequenos levados por velhos, novos e crianças são imagens de marca da festa de janeiro.
Mesmo no final, a chuva miudinha fica mais grossa. A multidão dispersa e os comerciantes arrumam as trouxas. O negócio estava feito.
Restavam as farturas, queijos e presuntos. A fome aperta depois da espera. As farturas assumem no final o papel mais importante. É na primeira festa que se comete o primeiro pecado da gula anual. Pelas filas, certamente o pecado se transformou em satisfação.
Entre tradição, comércio e empurrões, salvam-se os santos padroeiros. Para o ano voltam à rua… se Deus e os santinhos assim o quiserem…

O santo é nosso
O vereador da cultura, Mário Dorminsky, reconhece a popularidade do S. Gonçalo: “A primeira Festa do ano…uma festa sacro, mas também pagã que, apesar disso, culmina na Igreja de Mafamude aos gritos de “o santo é nosso”. As portas da igreja estão assim abertas para receberem a cabeça de S. Gonçalo que os Mareantes do Rio Douro têm de levar junto do altar que faz parte da tradição secular da Festa”.
E se esta festa é importante, muito se deve à adesão popular que se vai mantendo. “Cá por fora, estão sempre centenas de pessoas. Este ano a chuva (miudinha) que se fez sentir não impediu a manutenção, diga-se que recente, de uma autêntica romaria popular onde não faltavam os tachos para venda ou as bifanas nas dezenas de “barracas” ali montadas. As farturas continuaram a ser um sucesso e a música “pimba” o som de fundo que animou quem aderiu a esta festa secular. Foi mais um S. Gonçalo. Para o ano há mais”.

São Gonçalo
São Gonçalo é o santo português que, logo depois de Santo António de Lisboa, goza da maior devoção, sobretudo a Norte de Portugal.
Gonçalo nasceu em Tagilde, concelho de Guimarães, em 1187. Estudou na Arquidiocese de Braga e, ordenado sacerdote foi nomeado pároco de São Paio de Vizela.
Seguindo a corrente piedosa do seu tempo, empreendeu uma longa peregrinação a Roma e a Jerusalém.
Após o regresso, estabeleceu-se em Amarante, onde, a par do zelo apostólico, se entregou à vida contemplativa.
Faleceu no ano de 1259. A biografia está recheada de um sem número de lendas, entre as quais a que se refere à construção (ou restauro) da ponte sobre o Tâmega, em Amarante.
Ao lado desta ergue-se o mosteiro que D. João III mandou construir em sua honra.
São Gonçalo foi beatificado pelo papa Pio IV, em 1561.
Liturgicamente, celebra-se a memória de S. Gonçalo no dia 10 de Janeiro.

Oração
Ó Deus, Vós manifestastes as vossas maravilhas na alma do Vosso servo Gonçalo, inflamada no amor do Vosso nome; concedei-nos a graça de, à sua imitação, termos sempre o pensamento em Vós e fazermos com fervor o que Vos é agradável.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amen.

Boletim digital da AM já pode ser consultado

Já está on line a segunda revista digital da Assembleia Municipal de Gaia. Anualmente, este órgão deliberativo publica o que aconteceu durante os últimos 12 meses e que envolve a realidade da cidade. “Esta revista foi elaborada para ser consultada por todos os senhores deputados municipais, por todos os muníci-pes e por todos os órgãos autárquicos municipais e de fregue-sia”, explicou o presi-dente da AM. César Oliveira “dá, desta for-ma, a conhecer todas as deliberações deste segundo mandato” e que são “muito impor-tantes para o municí-pio”.
Todos os partidos que compõem a as-sembleia tem direito a umas páginas de comunicação na revista. O presidente da AM também quis que esta publicação incluísse todos os eventos em que a assembleia esteve presente e duas iniciativas muito concretas: a Assembleia Solidária e uma visita dos deputados gaienses à Assembleia da República, a convite do deputado social-democrata Luís Menezes.
Na revista são publicadas as deliberações das 15 sessões da AM e ainda de sete encontros de trabalho com os líderes parlamentares. Desta forma, o autarca considera que haver uma maior proximidade com os munícipes e, quem sabe, atrai-los às sessões que decorrem.
“No passado eram muitas reuniões e sessões. Hoje não. Cumprimos com o que exige a lei, mas temos muito mais cuidado e somos rigorosos. Temos mais contenção com os custos”. César Oliveira gosta de salientar que ponto fundamental é a do período de intervenção do público. Apesar de estar regimentado que os munícipes falam apenas no final, o presidente da AM assegura que está estipulado que fale perto da meia-noite, mesmo que seja necessário interromper a ordem de trabalhos. O importante mesmo é “que o público fale em todas as sessões e a horas decentes”.
César Oliveira tem ainda um desejo para este mandato: “gostaria muito que as assembleias fossem transmitidas on line para os munícipes. Penso que seria muito positivo. Já levei este desafio ao sr. presidente da câmara. Vamos ver se será possível. Ainda tenho expectativa que o possa realizar durante o meu mandato”.
Se está interessado vá a http://www.cm-gaia.pt e procure o link Autarquia. Depois clique em Assembleia Municipal e, por fim, Boletim Digital AM. Este órgão está apenas à distância de alguns cliques.

Jorge Palma (en)cantou

Foi ‘Com todo o respeito’ que Jorge Palma chegou e encantou o auditório municipal de Gaia, na última sexta-feira.
A casa cheia mostrou que Gaia há muito esperava para ver o cantor. Aliás, os bilhetes esgotaram rapidamente, mostrando que este continua a ser um dos artistas mais procurados. 300 pessoas preencheram os lugares e fizeram parte de uma noite mágica, intimista e clássica.
Palma tocou velhos temas, mas não esqueceu o mais recente álbum.
A novidade foi o acompanhante. Se um Palma já agrada muita gente, dois superam a oferta. O pai Jorge trouxe a Gaia o álbum novo e o filho Vicente. Uma simbiose perfeita de inspiração dos Palma durante cerca de duas horas de espetáculo
Bem-disposto, trocou várias vezes palavras com o público e presenteou os seguidores com dois encores.
Para o final escolheu o mítico ‘Portugal, Portugal’… levando ao rubro o público. Não se sabe de que está à espera o país, mas, seguramente, os fãs de Palma estão à espera de um novo concerto como este!

Cultura em alta
Visivelmente satisfeito estava o vereador do pelouro da Cultura de Gaia: “Foi um início interessante para um dos conceitos que vamos desenvolver em 2012”. Mário Dorminsky salienta que este ano o pelouro pretende “dar voz aos cantores e bandas portuguesas, no fundo à música que se vem fazendo em Portugal”. Isto sem esquecer que este é “um ano em que é cada vez mais difícil para os agentes e produtores conseguirem fazer o número de espetáculos a que se habituaram nos últimos anos”. Ainda assim o autarca assegura que “cabe também, dentro das possibilidades aos organismos oficiais, tais como uma câmara, apoiar a Cultura, e levá-la aos cidadãos, e é isso que vamos fazer. Em parcerias ou em produções próprias, o pelouro da Cultura vai apresentar programas de características diferenciadas que trarão a Gaia cerca de 20 a 25 nomes importantes da música portuguesa”.
Quanto ao concerto, Dorminsky descreveu-o como “um êxito”, revelando que o “espetáculo esgotou com dez dias de antecedência e a reação ao mesmo foi calorosa da parte do público. O cantautor saiu satisfeito após realizar um programa de duas horas consecutivas, mais meia hora do que estava previsto”.

por noticiasdegaia Publicado em Cultura

Primeiro aniversário do falecimento de Nelson Cardoso

Por altura do primeiro aniversário do falecimento do Dr. Nelson Cardoso que nos deixou a 19 de Janeiro de 2011, a Gaianima lembra o Homem, o Profissional e o Amigo.

A sua presença mantém-se por onde passou, pela obra e amigos que deixou.

A Administração da Gaianima, EEM e os seus Colaboradores prestam a devida Homenagem.

(HOJE, dia 19, pelas 19h00, tem lugar missa a celebrar a sua memória, na Igreja da Senhora da Hora)

VI CALE-se Festival Internacional de Teatro

Maria do Céu Guerra homenageada deste ano

Começa no próximo 21 de Janeiro a sexta edição do “CALE-se” Festival Internacional de Teatro, único certame do género a nível nacional com carácter competitivo, numa parceria com o pelouro da Cultura de Gaia, a freguesia de Canidelo e empresas privadas, organizado pelo Cale Estúdio Teatro – Associação Cultural de Actores. Esta edição é apadrinhada pela actriz Maria do Céu Guerra, que estará presente na sessão de abertura do festival, ocasião em que será também homenageada.

O festival visa a participação de grupos de teatro não profissionais, numa estrutura de oito espectáculos a concurso, que vão disputar os “Prémios CALE”, atribuídos por um júri e também pelo público e que distinguem as melhores prestações nas várias áreas a concurso, como Interpretação, Encenação, Cenografia, Figurinos, Luz e Som.

A abrir o Festival será apresentada a comédia “Efabulação”, da autoria de Nuno Leão e Nuno Nunes, pelo grupo AJIDANHA (Idanha-a-Nova).

A edição de 2012, enquadrada no âmbito do 26º aniversário do Cale Estúdio Teatro, vai decorrer aos sábados até 24 de Março, nas instalações da Associação Recreativa de Canidelo (Rua do Meiral, 51 – junto ao cruzamento dos 4 Caminhos), em Vila Nova de Gaia.

Os espectáculos têm início às 22h00. Os detentores de Passaporte Cultural beneficiam de uma redução de 50% no preço do bilhete. Bilhete normal: 3 Euros. Bilhete Passaporte Cultural: 1,5 Euros. Bilhete duplo: 5 Euros. Bilhete duplo Passaporte Cultural: 2,5 Euros

Trabalhadores da Cerâmica de Valadares protestam junto à câmara

Esta manha, perto de 150 trabalhadores da Cerâmica de Valadares estiveram em frente ao edifício dos Paços do Concelho, sendo depois recebidos pelo presidente da câmara de Gaia.
Filipe Menezes assegurou que vai pedir uma reunião ao ministro da Economia, procurando ajuda para resolver os problemas que assolam a empresa.
O coordenador da comissão de trabalhadores da unidade transmitiu esta vontade do autarca aos restantes trabalhadores, mas mantém-se preocupado com a situação. Daniel Gonçalves afirmou que a administração da empresa tem a intenção de retomar a laboração na segunda-feira, após a paragem forçada desde dia 29 de dezembro por falta de dinheiro para pagar o gás.
O que ainda não foi confirmado é se o pagamento dos salários relativos a dezembro vai se efetuado.
Recorde-se que a Cerâmica de Valadares existe há mais de 90 anos, alberga 420 trabalhadores e está paralisada há vários dias por dificuldades financeiras.
Na próxima terça está agendado um plenário de trabalhadores com o intuito de estabelecer novas formas de luta.

PCP crítica “demagogia da câmara sobre Cerâmica de Valadares”
A Comissão Concelhia de Vila Nova de Gaia do PCP não tardou em reagir. Reafirma “a sua solidariedade ativa para com os trabalhadores em luta da Cerâmica de Valadares” e salienta que “não é com palavras vãs e de circunstância que se resolvem os problemas dos trabalhadores desta empresa”.
Os comunistas afirmam que “o papel da Câmara Municipal neste processo é lamentável e denota a postura demagógica que caracteriza a postura deste executivo”. E explicam: “Se por um lado defendem o conjunto de medidas contidas no acordo de ingerência externa, vão reafirmando em múltiplas circunstâncias a necessidade dos ‘sacrifícios’, por outro são capazes num exercício de dupla personalidade impressionante na presença dos trabalhadores, são capazes de considerar infame o corte dos subsídios de natal.
A concelhia aponta ainda o dedo às afirmações de Menezes: “A câmara teve conhecimento que o Ministério da Economia acompanha o caso desde há 3 meses – Que medidas foram tomadas? (além de tentar convencer a fornecedora de gás e eletricidade a facilitar o pagamento das faturas – recorda-se aqui quem quer liberalizar o acesso a estes principais custos de produção, PSD/CDS-PP). Afirmou que manipulou o PDM de acordo com os interesses da fábrica – ‘valorizou’ os terrenos da Cerâmica ao permitir a construção e ‘desvalorizou’ os terrenos para onde a fábrica se irá deslocalizar – e que está disponível para permitir a construção de ‘torres’ para os valorizar ainda mais!
O PCP fez-se representar nesta jornada de luta pelo deputado municipal por Jorge Sarabando e o membro comunista António Gonçalves. A delegação aproveitou para informar os trabalhadores que o PCP questionou o Governo sobre esta situação, exigindo medidas que permitam a laboração da empresa e a manutenção dos postos de trabalho.

Incêndio em Gaia faz um morto

Durante a madrugada de hoje, uma mulher perdeu a vida na sequência de um incêndio que deflagrou no apartamento em que vivia. O impacto do fogo foi tremendo, deixando o quarto completamente destruído.
A vítima teria perto de 60 anos e estaria a dormir. Tudo indica que terá sido um curto de circuito que provocou o incêndio, na Rua Fialho de Almeida.
“Recebemos o alerta quando as chamas já estavam a sair pela janela”, disse o comandante dos bombeiros de Gaia, em declarações à imprensa. “Saímos imediatamente e extinguimos o fogo muito depressa, mas infelizmente a senhora estava já sem vida”, acrescentou Salvador Almeida.

‘Apagão’ em Gaia

Esta madrugada, durante cerca de uma hora, a freguesia de S. Félix da Marinha sofreu um apagão. Uma vez mais, esta situação aconteceu devido a um roubo de fio de cobre num posto de transformação da EDP.
Foram roubados 64 metros de fio, que provocou alguns transtornos na freguesia, nomeadamente em algumas residências e iluminação pública na área envolvente. O alerta foi dado por volta das 4h30 e, uma hora depois, tudo estava resolvido.