Filipe Menezes assume candidatura ao Porto

Podia ter sido uma notícia ‘bomba’, mas não foi. Pelo menos para grande parte dos gaienses, a confirmação da candidatura de Menezes ao Porto não foi surpresa. Talvez tenha sido inoportuno o momento da declaração. Mas só isso. Muitos conheciam bem o desejo antigo que o actual autarca de Gaia tinha em liderar a comunidade vizinha.

Em entrevista à Sic Notícias, Luís Filipe Menezes foi peremptório: “Estamos numa altura do país em que é preciso transparência, frontalidade e coragem. A minha decisão é irrevogável e aproveito para dizer aos portuenses, da cidade onde vivo há 40 anos, que amo muito e para a qual acho que tenho boas ideias e bons projectos, de que vou ser candidato à câmara do Porto”.

O ainda autarca de Gaia revelou também que só anunciou a candidatura após ter conversado com o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, e com o líder do PSD Porto, Ricardo Almeida, (que actualmente ocupa o cargo de presidente da Gaianima). Filipe Menezes assegurou mesmo que vai “ser candidato à câmara em toda e em qualquer circunstância”.

O presidente do executivo camarário, na mesma entrevista, revelou ainda que acredita que haja algumas renovações no Governo, embora posteriores à aprovação do Orçamento de Estado.

Com esta declaração, muitos gaienses começam agora a questionar quem irá ser o sucessor de Menezes. Apesar dos muitos nomes que têm surgido, quase todos acreditam que a ‘disputa’ estará centrada entre Marco António Costa (actual secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social) e José Guilherme Aguiar (vereador na câmara municipal de Matosinhos). Seguramente, o nome ficará escolhido após o ‘dossiê’ da fusão de freguesias (que terá de estar resolvido até o dia 14 de Outubro) e da hipotética renovação governamental.

Luís Filipe Menezes está prestes a terminar o quarto mandato conquistado com maioria absoluta e com a coligação entre o PSD e o CDS-PP.

Anúncios

Menos impostos municipais em 2013

Menezes e oposição juntos na diminuição de impostos no próximo ano.

“Chega de austeridade. Em Gaia, no próximo ano, vamos baixar impostos”. Este é o modelo em que o presidente da câmara aposta para “criar condições para o crescimento”. E Filipe Menezes explica a fórmula: “Neste momento, o enfoque vai para as taxas sobre as empresas, com vista ao relançamento da economia. Vamos baixar a derrama, as taxas municipais na área do urbanismo (podendo existir taxa zero nalgumas áreas). Também vamos baixar o IMI e, porventura, à taxa zero durante vários anos”.

Assim sendo, os gaienses podem contar com uma carga fiscal municipal mais leve. O autarca assegura que, desta forma, conseguirá minimizar os “sacrifícios” a que a população está sujeita, evocando que qualquer medida contrária “seria contraproducente”. “Se, neste momento, fôssemos aumentar impostos ou diminuir salários ou tirar mais direitos sociais, o que íamos ter era mais crise, mais desemprego e era uma bola de neve”. Menezes quer travar com a austeridade no município, já no próximo ano e aproveitou para aconselhar o Governo a fazer o mesmo e procurar “encontrar o equilíbrio”.

Vereadores da oposição satisfeitos com esta proposta pensada pelo PS-Gaia

Eduardo Vítor Rodrigues está visivelmente satisfeito com esta tomada de posição. Até porque “esta proposta que o presidente da câmara agora anuncia foi assumida pelo PS-Gaia numa reunião com o Dr. Menezes há cerca de uma semana. De facto, o PS-Gaia tem vindo a queixar-se dos exageros de taxas e impostos municipais de Gaia, como sucede ano após ano. Ficamos muito felizes por, desta vez, a nossa voz ter sido ouvida, naquilo que consideramos ser, no mínimo, uma proposta conjunta”.

O vereador assegura que, apesar de ser uma ideia socialista, prefere que “ o Dr. Menezes anuncie estas medidas como suas, do que mantenha as taxas. Mas estas medidas são muito mais do que um anúncio, são uma proposta concreta do PS-Gaia no âmbito da preparação do Regulamento de taxas e do Plano e Orçamento para 2013”.

Os vereadores do PS-Gaia propuseram a diminuição do IMI em projectos de reabilitação urbana, a diminuição da taxa de resíduos sólidos, que onera a factura da água, a diminuição da Derrama para empresas que contratem trabalhadores, e as taxas de urbanismo.

Mais ainda, “dando cumprimento à efectiva preocupação com os gastos exagerados e pouco explicados, assumimos a necessidade de repensar o peso das empresas municipais em Gaia, nomeadamente e prioritariamente a Gaianima”, salientou o socialista.

Siga-nos no Facebook… clique aqui!

Menezes admite candidatura ao Porto

Presidente da câmara de Gaia afirma que Marco António Costa seria um bom sucessor

Luís Filipe Menezes admitiu, esta quarta-feira, candidatar-se à câmara do Porto em 2013, “se considerar ser útil” e lançou Marco António Costa como possível sucessor na autarquia de Gaia.

“Não sei se serei útil ao meu país, ao meu partido, à minha região daqui a três anos. Se nessa altura considerar que poderei ser útil, poderei disponibilizar-me para alguns combates, incluindo esse [candidatura à autarquia do Porto]”, afirmou o autarca de Gaia, em declarações à Agência Lusa.

Todavia, Menezes considera ser “uma enorme tonteria” avançar com esta ideia, até porque Rui Rio ainda está em funções na edilidade portuense e “em dois anos e meio tudo muda”.

Quando acabar o mandato em Gaia, “se ficar numa actividade pública, tenho que verificar aquilo que do ponto de vista de saúde, vontade e criatividade considere que é uma função em que possa ser útil e tenho que compaginar isso com o interesse do meu partido, de onde não conto sair”, sublinhou.

Marco António Costa em Gaia

Assim sendo, para o social-democrata, que em Gaia lidera uma coligação com o CDS-PP, Marco António Costa, actual vice-presidente da autarquia, “está numa primeira linha de sucessão”, pois “seria um bom candidato e um excelente presidente de câmara”.

Contudo, o autarca vincou que “se eventualmente, e por vontade dele [Marco António Costa] não for ele, não será por isso que deixaremos de ter uma candidatura muito forte em Gaia”.

“Esta maioria tem um lastro estrutural para poder continuar só por si, independentemente da personalidade que venha a ser candidato e eu tudo farei para ajudar esta maioria a estar unida. É uma maioria que vai muito para além do PSD, que está muito consolidada em Gaia e tem a presidência de 20 das 24 juntas de freguesia”, concluiu.