Opinião

Gaia-Porto: chega de perder tempo

Numa altura que o país debate prioridades para grandes investimentos públicos e a reflexão sobre linhas políticas orientadoras se acentuam – para que o futuro de Portugal possa ser bem mais risonho do que não é o presente -, eis que voltam as dúvidas se o que se entende ser bom para o país é ou não bom para a nossa região. Novo aeroporto de Lisboa, TGV entre a capital e Madrid, requalificação da frente ribeirinha alfacinha… Estes são os diplomas que mais ecos têm merecido na opinião pública. E porque acho que tudo isto não passa de mera opinião publicada (a crise tarda abandonar a soleira da nossa porta), pergunto se não é altura de dizer basta a estes decisores políticos de meia-tigela com que somos brindados a toda a hora e sempre quando menos os desejamos.

E como a regionalização tarda em sair da gaveta, vem este desabafo a propósito da interrogação de quanto tempo mais teremos de esperar que Gaia e Porto se fundam numa só cidade, uma grande urbe capaz de colocar em sentido todos estes actores, que mais não são do que uns simples figurantes regionais.

Sem querer embarcar na tese de alguns amigos mais extremistas – onde a solução passaria pela independência e por uma união do Norte à Galiza -, não hesito dizer que a história de Gaia e Porto estão tão ligadas intrinsecamente que a cumplicidade entre ambas devia ser bastante maior. O Douro não pode ser um ponto de desunião, mas antes um traço contíguo. As margens conhecem-se. O povo interage. Tal como numa família, Gaia seria o lado feminino, o Porto masculino: um casal perfeito capaz de fazer crescer com carinho as gentes que nele confiam e dele dependem.

Quem melhor do que nós sabe que projectos necessitamos, que políticas conjuntas são apropriadas, como se devem dar as devidas respostas ao aclamado desenvolvimento sócio-cultural, ao bem-estar, ao ambiente, à segurança, aos anseios da juventude, à ocupação dos idosos, à saúde, à educação, às obras públicas, ao turismo, a todas as questões que nos ferem os olhos diariamente e que realmente nos preocupam.

Chega de políticos que vêm Lisboa como objectivo pessoal e profissional. Chega de esperar que sejam segundos e terceiros a deliberar prioridades dos que deviam ser primeiros. Chega de perder tempo na união de Gaia e Porto… enquanto não chega a aclamada regionalização.

Paulo Jorge Sousa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s